• Twitter
  • Facebook
  • Google+
  • Instagram
  • Youtube

sábado, 2 de abril de 2016

RELATO SURPREENDENTE DE UMA EXPERIÊNCIA COM AYAHUASCA

Relato surpreendente de uma experiência com Ayahuasca



Este relato foi postado no site Anjo de luz onde esta pessoa relata sua experiência ao fazer uso da Ayahuasca e achei muito importante estar divulgando essa informação para alertar as pessoas que nem tudo que reluz é ouro e nossa centelha divina deve estar presente em qualquer situação.

RELATO PESSOAL DE UMA EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL COM A AYAHUASCA

Os adeptos de doutrinas xamânicas afirmam que o participante deve colocar em prática os ensinamentos que aprendem no estado alterado de consciência induzido pelo consumo de um preparado à base de duas plantas psico-ativas.
É o que pretendo fazer nesse artigo. Ele não tem por objetivo julgar e nem condenar quem participa desses movimentos que têm até o reconhecimento da ONU. Mas pretende expor a experiência que tive, pois acho que é mais um ponto de vista para reflexão.

Há algum tempo venho ouvindo falar das “viagens” espirituais que esse preparado proporcionava e sendo convidado a experimentar.
No início de 2005, após ler vários documentos a respeito do assunto, resolvi, em caráter experimental, conhecer esta atividade espiritual. Eu já tive experiências de desdobramento espiritual (viagem astral) e por já ter trabalhado com des-obsessão conhecia uma parte da realidade astral.

Assim, ao fazer uso do preparado (ayahuasca) pela primeira vez, percebi que, de fato, a bebida facilitava o desdobramento do corpo astral (perspírito). Ao sair do corpo, notei que dois espíritos vinham em minha direção. Um parecia hindu e o outro parecia com o Bezerra de Menezes, por causa da barba.

Fui levado até um local onde havia muitas luzes ofuscantes e sons estridentes. Falaram-me o seguinte: “o universo é composto de luzes e som. As cores são as resultantes desse processo”. Falaram-me, ainda, que eu estava no local de onde eu viera e para o qual eu retornaria ao desencarnar. Ali eu viveria feliz, enviando vibrações para a Terra.

Intuitivamente comecei a ouvir alguns espíritos. Eles me contaram fatos de uma provável encarnação. Falaram-me sobre algumas mulheres que conheço e qual teria sido nossas relações no passado. Não tenho como saber se tais informações são verdadeiras ou não. Mas confesso que, na hora em que foram transmitidas, senti uma forte emoção como se aquilo tudo fosse, de fato, verdadeiro.

Confesso que sou um tanto cético com tudo que seja muito fácil e sem pedras pelo caminho. Assim, pela pequena experiência que tenho, preferi não acreditar cegamente em tudo o que estava vendo e ouvindo e passar tudo pelo crivo da razão.

Sei que os espíritos fascinadores são capazes de criar “realidades” para iludir e fascinar médiuns videntes, sobretudo os orgulhosos. Assim é mais fácil fasciná-los. Além disso, pela alteração psíquica proporcionada pela bebida, (ayahuasca) não sabemos como está nossa vibração e se estamos recebendo intuições provenientes de espíritos superiores ou não.

Em minha opinião, pessoas com pouca informação espiritual se tornam vítimas fáceis de espíritos fascinadores. Ao ver aquela infinidade de luzes e cores, ao ouvir vozes, etc. a pessoa pode, realmente, achar que estava no “paraíso”.

Muitos participantes falam que abraçaram Deus durante a vivência. Será mesmo? Algo me dizia que eu precisava transcender aquele mundo de som e luzes ofuscantes. Resolvi, então, fazer uma prece a Deus pedindo para que a verdade fosse revelada. Pedi para que eu tivesse condições de compreender toda a dimensão espiritual daquele trabalho. No exato momento em que terminei a Prece, fui “aspirado” para cima e subi muito. De onde eu estava, pude acompanhar todo o trabalho “religioso” que se passava lá embaixo.

Confesso que tudo o que vi foi muito chocante. Não havia nenhuma beleza naquilo. Aliás, foi uma imagem muito triste. Como afirmei, o participante precisa colocar em prática o que aprende ou o que lhe é revelado. Eu nem queria comentar esse assunto, mas para não quebrar a regra deste jogo, estou colocando em prática o que me pediram: narrar tudo o que vi e ouvi.
Em primeiro lugar, fui informado por um ser, que não consegui identificar, que eu havia sido retirado daquele ambiente fascinador para poder observar de forma crítica e poder divulgar a verdade.

Ele me pediu para eu não falar nada sobre o que visse para as pessoas ali presentes, pois poderia ser perigoso para mim. A espiritualidade iria me isolar para que os espíritos que coordenavam aquele trabalho fascinador não percebessem o nosso objetivo e não intuir o líder encarnado. Eu deveria anotar tudo e, ao chegar em casa, escrever o mais objetivamente possível.

Confesso que estou escrevendo esse artigo com um certo peso no coração, pois as pessoas que estavam na vivência não eram culpadas de nada. São pessoas muito amorosas e que acreditam que estão participando de um trabalho espiritual superior. Usavam tal produto crendo que estavam tendo a “experiência espiritual mais rica de suas vidas”. O que posso afirmar é que os participantes realizam desdobramentos, conscientes ou não, e ficam no astral.

Quero relatar para as pessoas que procuram, de fato, um meio de crescimento espiritual. Que sabem que é o seu ser eterno que deve ser valorizado. Assim, com essa meta, vou tentar descrever com a mais rigorosa objetividade tudo o que consegui perceber neste desdobramento.

Notei que as imagens, as luzes e os sons que extasiavam os participantes, prostrados sobre poltronas ou cadeiras, empalidecidos e parecendo zumbis, eram produzidos e retro-alimentados por seres de baixa vibração com um objetivo evidente: embotar a consciência do participante, causando um estado de torpor e 
uma falsa alegria, apesar de algumas pessoas, talvez as mais sensíveis, sofrerem com as constantes ânsias de vômito, consideradas, pelos frequentadores, como uma limpeza.

Na verdade se tratava do organismo tentando se limpar de tanta impureza astral e material “consumida” naquele ambiente. Vi que a área estava infestada por espíritos deformados, alguns cadavéricos. Havia ainda drogados que, desdobrados inconscientemente no astral, eram atraídos para aquele lugar pela vibração, como se ali fosse uma grande danceteria da Terra.

Além desses, percebi muitos desencarnados que não tinham a menor ideia de que não estavam mais no corpo físico. Não digo que era uma orgia entre espíritos, mas era uma festa com seres de baixíssima vibração, quase todos doentes.

Mas a parte mais repugnante foi quando vi que vários espíritos trevosos sugavam, com uma voracidade incrível, os fluidos vitais dos participantes encarnados. Eram, literalmente, vampiros do umbral. Eu via lá embaixo o meu corpo sendo sugado e não conseguia voltar. Alguns amparadores espirituais diziam que eu precisava ver um pouco mais antes de retornar. Notei que o lugar onde a vivência era realizada estava ligado diretamente ao umbral inferior.

As regiões celestes que os participantes narravam eram ilusões criadas pelo umbral. Confesso que eram imagens bonitas, similares a essas que se vê em embalagens de incensos indianos e quadros orientais. Tudo ilusão que só se podia reconhecer, de um ponto de vista mais elevado, longe das garras daqueles espíritos horrendos. Se sabemos que o mundo material é uma ilusão, aquele “paraíso”, o era muito mais. E posso dizer, sem medo de ser criticado, que é melhor viver a ilusão do plano material onde estamos encarnados, momentaneamente, do que na ilusão do astral inferior.

Sabemos que o aprendizado espiritual vem apenas com a reforma interior o que exige dedicação, esforço e trabalho em busca do aperfeiçoamento. A Luz que as “drogas” como a ayahuasca, (Santo Daime) propicia, é uma Luz sem brilho.

A Luz que ilumina e liberta está muito além e, para ser alcançada, só mesmo através da caridade desinteressada e fraterna e de muito esforço e pesquisa.
Podemos dizer também, que as “revelações” feitas por espíritos do astral, não são de fontes seguras, e não devem ser aceitas antes do crivo da razão.
Confesso que os cantos ou hinos utilizados nestas seitas, são até bonitos e falam em Deus e em Jesus; a encenação ajuda a criar uma ambiência pseudo-espiritual e de respeito, com velas e alguns rituais, porém, o trabalho realizado pelos seres umbralinos, tanto com seres encarnados e com os desencarnados, é assustador.

Segundo os amparadores que estavam ao meu lado durante o desdobramento, eu precisaria escrever também, que o trabalho é perigoso para crianças e mulheres grávidas, apesar dos praticantes afirmarem o contrário. O absurdo de se dar este alucinógeno (ayahuasca) para bebês, prática comum entre estes grupos, é inadmissível, pois eles não podem nem decidir por si mesmos.

Contact

Get in touch with me


Adress/Street

〒1070062, Aoyama Building, Tokyo-to, Japan,

Phone number

+(81) 080 4323 2406

Website

www.allainrauen.com